Faz bem? Faz mal?

image

Uma pergunta recorrente tanto no consultório quanto nas relações diárias é aquela “isso é normal?”

Em resposta a essa pergunta, faço outras perguntas como “isso te faz bem? Te faz mal?”.

O que é importante, como a pessoa lida com um problema ou situação que para a família ou sociedade é inadmissível.

Por exemplo, em uma sociedade que em que a exigência pelo corpo perfeito é um fato, uma mulher jovem com o corpo acima do peso padrão (e apenas pouco acima do IMC saudável), e que não dispensa muita energia para emagrecer, é vítima de questionamentos e julgamentos diversos, desde o triste “tadinha”, como se ela fosse vítima, até o “também, não se cuida, é relaxo”.

Mas e se observar o que ali no contexto daquela jovem mulher faz bem ou faz mal, o que é possível ver?

O cuidado individual é muito importante e é algo que o psicólogo deve observar. Nesse caso, ela se cuidava, usava roupas bonitas, maquiagem, cabelos arrumados, e asseio em geral.

O que a mutilava era ter que fazer dieta, visto que seu tempo era altamente calculado. Além disso, o que a potencializava era a sua relação com uma boa comida (e não qualquer comida).

Ela era feliz consigo própria, com seu corpo gordo para os padrões sociais, e só queria parar de ouvir sussurros a respeito disso.

Vamos pensar um pouco nesse sentido tanto em relação ao outro quanto em relação a nós mesmos. Me faz bem ou me faz mal? Mas faz bem ou mal a alguém envolvido? Pois para compor uma relação ética e saudável precisa fazer bem a si próprio mas não fazer mal a outros atores.

E olhem só como essa pergunta cabe em inúmeras situações.

Emprego: tenho o trabalho dos meus sonhos, mas por ele tomar minhas noites e fins de semana, meus filhos estão com problema é meu marido quer o divórcio. O emprego faz bem ou mal? Não dá pra saber! E a relação com o filhos, faz bem ou mal? E a relação com o marido, na mesma linha, faz bem ou mal?

Não há uma resposta em si, depende dos objetivos, metas, prioridades, histórico, e de como se cruzam os nós da vida.

Portanto, não existe uma resposta universal para o que faz bem ou faz mal. O mesmo que faz bem a mim, pode não fazer a você. O que faz bem a mim pode ter uma consequência que faz mal ao outro, e assim não representa uma relação potente.

Uma coisa afirmo: é impossível olhar um aspecto isolado.

Complicado, não?

E essa complicação leva as pessoas à terapia. Muitas vezes não para de complicar, mas para conviver melhor com a complexidade das relações, e estabelecer relações potentes.

Publicado do WordPress para Android

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s