Eis que no parto nascem dois seres: bebê e mãe

Após a descoberta, a surpresa, e inicia-se a contagem regressiva das 40 semanas. Nesse período, duas novas pessoas se formam por meio do ventre que se expande: mãe e bebê.

Desde o momento da concepção, a multiplicação celular embrionária começa a moldar esses dois seres, mãe e bebê. Mesmo antes de saber da gravidez, a mulher acompanha seu feto na metamorfose do seu corpo – um momento após o outro, seu funcionamento biológico e químico é alterado, com uma rápida mutação que começa a moldar esse novo ser.

Essa metamorfose não é simples para nenhum dos dois:

Um se prepara para chegar em um mundo onde não consegue sobreviver sozinho, não se comunica, não se locomove, e precisa aprender sobre absolutamente tudo, pois não sabe sequer que é ele mesmo.

Ela começa a se preparar de dentro para fora, preparando seu corpo para a morada temporária de uma pessoa que ela sequer conhece. Parte de um lugar confortável uma mulher com suas escolhas e decisões, para se transmutar em algo que ela ainda não sabe o que é, e agora as suas decisões impactam diretamente a vida de um estranho. Passa a ser amplamente responsável em um mundo em que ela não conhece nada, e, apesar de achar que já conhece muita coisa, ela volta a ter que aprender sobre absolutamente tudo, pois, a partir deste momento, ela sequer sabe quem é ela mesma.

À medida em que o bebê cresce dentro dela, ela se expande ali fora. Os órgãos do bebê começam a se formar, e os da mãe começam a se reformar, para funcionarem naquele espaço mais reduzido. O bebê começa a coordenar os movimentos de seus membros, e a mãe ali fora também precisa coordenar melhor seus movimentos para operar as rotinas com seus novos membros (ora inchados, ora cansados).

Com a descoberta daqueles dois serem em desenvolvimento, eles passam a exercerem papeis sociais. O novo ser ali dentro veio do nada, e se torna um bebê, filho, neto, sobrinho, afilhado, denguinho, sonho, medo. O novo ser ali fora, que já foi tudo isso um dia, veio do nada e tornou-se um monte de coisas, transforma-se em outro ser, e em seu casulo invisível começa a desenhar novos contornos, agora de mãe.

O bebê começa a viver suas primeiras experiências com o mundo ali de dentro mesmo, por meio de sua genitora. A mãe começa a viver suas primeiras experiências ali mesmo, carregando aquele bebê.

Ainda que estes dois novos seres se formem e nasçam juntos, grudados, um impregnado no outro, é importante ressaltar que eles não são a mesma pessoa: são dois.

nasceu mãe newborn

Muita coisa, não? É muito mais do que parece.

É importante refletir e intervir para a produção de saúde mental , qualidade de vida e inteligência emocional destes dois seres potentes.

Para lidar com a saúde do corpo em meio à geração de uma nova vida e todas as transformações destes corpos, os dois procuram um médico para acompanhar da gestação ao parto. E os cuidados com a psique, com as emoções, a saúde mental e a qualidade de vida de ambos durante a gestação e no pós parto?

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s