Motivação

MotivarUm grande equívoco de muita gente, gestores e colaboradores, é achar que a motivação deve vir de fora, da empresa, das relações. O reconhecimento vem do outro, mas a motivação parte de nós, e nos ajuda a direcionar-nos.

Vernon (1973) cita que a motivação é uma força interna que regula nossas ações.

Lieury & Fenouillet (2000) mencionam que a motivação é constituída tanto de fatores biológicos quanto psicológicos que impulsionam as nossas ações.

Sempre teremos nossas necessidades e desejos, e é saudáveis que tenhamos. Mas a partir do momento que “terceirizamos” as realizações destes, estamos assinando um contrato de frustração. Por quê o outro irá dispor energia para suprir nossas necessidades e desejos (a não ser que sejamos crianças e nossos pais tenham a responsabilidade em prover-nos)?

Ouço muito no meio corporativo colaboradores frustrados por a empresa não investir suas energia para a sua motivação.

Vamos esclarecer as coisas: a não ser que a empresa seja do ramo de Recursos Humanos, o negócio da empresa não será a motivação do colaborador.

Os setores de Recursos Humanos trabalham arduamente para obter o reconhecimento dos profissionais nas empresas, desenvolvimento dos mesmos, avaliação e controle de indicadores, manutenção de um ambiente salubre. A motivação é pessoal e mutável, não há como acompanhar a motivação de cada colaborador a qualquer tempo. Se uma empresa tem dez colaboradores, falamos da motivação de dez pessoas, que podem mudar em um ano, e ainda do lucro da empresa. E se falarmos de uma empresa de mil ou cinco mil pessoas?

Então vamos pensar:

  • Estou onde eu quero estar?
  • Faço o que me proponho a fazer?
  • Quero ser desafiado? Estou sendo?
  • Busco um contexto agitado ou pacato? E em que contexto me insiro hoje?
  • Minha remuneração é suficiente? Minha remuneração está compatível com o mercado? Preciso de atividades outras para obter uma renda extra?
  • Gosto de estudar? Preciso de estudar? Quero estudar?
  • Naquilo que me qualifiquei, estou exercendo os conhecimentos adquiridos? Desejo exercer tais conhecimentos?
  • O que me proponho a fazer, faço bem? Faço o melhor que posso? Faço para cumprir? Faço sem vontade?
  • Tenho oportunidade de fazer tudo o que gostaria? Um dia terei? Consigo criar essa oportunidade dentro ou fora do ambiente corporativo? Vale esperar?
  • A empresa está criando condições?

E posso propor outras quinhentas perguntas, mas cada um pode conduzir as suas, e perceber que minha motivação não está nem deve ser gerida pelo outro, mas por mim, que tomo as rédeas da minha vida e exerço minhas escolhas.

Podemos encarregar até mesmo nossa mãe para gerir nossa motivação, e mesmo ela conseguirá frustrar-nos, pois em certo momento ela poderá agir conforme os conceitos dela, querendo nos proteger, ou desviar de alguns caminhos que ela julgar não ser bom para nós.

O papel do outro se limita a criar condições. Nós gerimos nosso relacionamento com o outro. E devemos gerir também nossa motivação.

Vamos nos responsabilizar e agir. Criar metas, ações. Sejamos realistas. Sejamos idealistas.

Anúncios

Um comentário em “Motivação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s